domingo, 10 de maio de 2020

10 de maio de 2020 | Escritos


imagem: capa do jornal O Globo

Eu não aguento mais assistir a morte online.

Viver na geração Z me corta ao meio todo dia.

Uma crise sanitária que atravessa o Brasil ou uma pandemia que assiste a crescer virtualmente quebra cada pedacinho de mim. Raiva, indignação, um poder sem poder e decisões sendo tomadas às coxas. Hoje, é domingo, dia das mães, fui obrigada a tomar decisões que não queriam… como ficar longe dos meus pais pelo meu próprio bem-estar ou capitalização ou capitalização ou dois a não ter o privilégio de #ficaremcasa. Como estatísticas estão começando a virar um cantor, escritor, um vizinho ou um pedido de um amigo.

Nesse dia 10 de maio em específico, um escritor que, apesar de não estar tão imerso na sua obra, conheça sua produção Sérgio Sant'Anna venceu o prêmio Jabuti quatro vezes. Um dos melhores jogadores brasileiros teve uma parada cardíaca hoje e morreu devido ao Covid-19. Mas tem o João também, a Ana que ninguém conhece. Um grande amigo, ou pai de uma amiga que nem teve tempo de cuidar, pois morreu antes do diagnóstico. 

Gente vendo gente morrer, mas ainda assim como assistir a gente batendo continuamente para o presidente, onde vamos parar com tanta gente assistindo morte e sem saber se quando vai pro trabalho está flertando com sorte - ou seriamente com morte?

Ainda bem que existe uma literatura e uma música para segurar essa gente nessa vida indo para outros planos, mas que adianta assistir malhação 2014 não é como o pão e o circo e não é outro tipo de dia para o globo são mais de 10 milhões de mortes confirmadas por Covid -19?