domingo, 29 de março de 2020

Desabafar ou desabar? | Escritos

Imagem: tumblr


*este texto pode conter gatilhos para quem tem ansiedade

Dizer as coisas que sinto nunca foi tão simples pra mim, talvez porque sentir tenha parecido errado para quem eu falava sobre meus sentimentos ou talvez seja a droga da ansiedade que grita coisas na minha cabeça que não fazem sentido no meio das crises.

Falar nunca é fácil, mas escrever deixa tudo menos pesado durante esse processo. Quando comecei o tratamento sabia que a cura não é linear, na verdade a cura não existe, mas é possível alcançar um equilíbrio/controle dos seus sentimentos e aprender a lidar com eles na terapia. Só não é simples e nesse processo tenho tropeçado tanto que ás vezes me dá dó de mim mesma, sei lá eu nunca pareço saber desabafar sem desabar. É como se eu fosse a casinha dos três porquinhos que com pequenos sopros fosse para os ares, mas na verdade é com pequenas palavras sabe? É como se os pequenos desabafos no meio do caminho fossem me derrubando até uma crise chegar.

A falta de confiança, a auto sabotagem e depois os pensamentos confusos que parecem dançar na minha mente até que eles fazem o meu peito explodir e conseguem me deixar finalmente tão ansiosa quanto nunca antes. Sentir o coração amassando dentro do peito é a pior sensação que você pode ter na vida depois não conseguir respirar. E como o roteiro chamado vida nunca me deixa na mão, já senti as duas coisas e quis nunca mais sentir algo parecido.

É como andar na corda bamba, só que sem a corda.

E, sabe, ás vezes quando tudo fica bagunçado assim a única alternativa que tenho é escrever ou dependendo da intensidade falar com meu psicólogo. Quando nada disso funciona, como agora, depois de meses sem crises muito fortes e uma vida linear, sento e recomeço tudo outra vez.

Escuto uma música e ao ser embalada pela melodia, me deixo ser abraçada por mim mesma e tento não sentir pena de mim, não me culpar. Afinal, eu não tenho culpa de ter ansiedade.

domingo, 1 de março de 2020

365 dias sem você | Escritos


Sabe amiga, na segunda de carnaval fui no show do Emicida com Nicole e uns amigos. No meio de uma canção lembramos de ti, seguramos as lágrimas e respiramos fundo. Só a gente sabe como foi difícil para as duas manteigas derretidas do grupo não cair num rio de lágrimas, mas conseguímos, a gente sabe que você odiaria isso e desculpe escrever que para dizer que nem todo dia primeiro é assim. No ano novo não foi, chorei no banho, no ônibus e antes de dormir. Todo dia um é complicado recomeçar, sentir sua ausência ou suportar o peso de existir sem te ter por aqui. A vida passa rápido, as coisas estão acontecendo num ritmo tão acelerado que nem obturador da minha câmera consegue capturar, nem meu lápis em um dos milhares de caderninhos que tenho para escrever pensamentos e que você ria das coisas aleatórias quando lia.

Fred & Júlia ganhou um final, a dedicatória do livro é sua e talvez ainda esse ano seja de fato publicado em algum lugar. Morar em outra cidade não foi tão difícil assim, eu consegui fazer amigos, não fui antissocial ,juro, fui sociável até demais e quebrei a cara algumas vezes. Sei todo o discurso decorado que diria sobre não ter medo de viver e ser corajosa juntamente com Nicole a tira-colo dizendo que me privei de viver a vida que quero por tempo demais, mas prometo que estar cumprindo o combinado de ser menos medrosa e ir com medo mesmo. Ah, raspei o cabelo na lateral, minha família odiou, porém amei ter me visto diferente e não parei por aí também o cabelo rosa foi com certeza o melhor que poderia ter feito. Tatuei uma lua minguante no braço direito para simbolizar a mudança interna e externa, comecei a organizar meus projetos de livros rascunhados no computador e achei uns diários antigos.

Fiz um curso de roteiro, descobri que amo audiovisual e que produção é com certeza o que quero fazer da vida. Encontrei amigos e um projeto para fazer da minha vida, o projeto popular, me organizei no movimento estudantil e achei um lugar onde posso lutar pelos nossos direitos para um projeto de sociedade que acredito. Toda a raiva, indignação ainda estão por aqui, mas o luto e o ódio do destino me ensinaram lições valiosas, a maior delas foi usar todo esse sentimento ruim para transformar a minha existência e de outras pessoas em algo melhor, mais suportável. Queria que ainda estive aqui, queria tanto poder compartilhar a vida contigo e ouvir sua risada gostosa no fim do dia quando conto minhas histórias ou quando falava em espanhol mostrando o quão era apaixonada pela língua, compartilhava seus medos, incertezas ou só um meme engraçado no grupo para fazer a gente conversar na madrugada.

Ai Shay, esse mundo sem ti é duro e sombrio, ninguém sabe como lidar com essa saudade. Te escrevo sempre que posso, te sinto todo dia comigo, lembro de você nas noites estreladas, pois a mais brilhante estrela no céu tem quer ser Sharlene. Não tem pra ninguém sabe, o mundo ainda reflete você o tempo inteiro amiga, te amo.