sábado, 29 de dezembro de 2018

Para todos os garotos que já amei (contém spoilers) | Manteiga de cinema


Finalmente post mais cobrado do instagram (@escritoselivros)  é sobre essa adaptação que irá ter resenha dos três livros em breve por aqui. E que essa semana foi confirmado pelo netflix e a autora sua sequência. A minha opinião sobre a adaptação foi bem balanceada, mas entendo que alguns ajustes foram feitos exatamente pela alteração de formato, pois nem tudo que está no livro por ir pro cinema e nem tudo é atrativo aos espectadores.

A gente sabe quem enviou as cartas logo de cara. No livro, esse suspense é escondido um pouco mais. A Kitty do livro é mais chata que no filme, mas continuo adorando a personagem. A Margô também não sou muito da personagem de algumas atitudes, porém gostei de ver ela no filme. Amei o fato que a Jenny Han bateu o pé para que fosse uma protagonista asiática e não uma garota branca e loira padrão.A Gen do livro e a relação com a Lara Jean é muito diferente elas tem um consideração uma pela outra no filme só reforça o esteriótipo de rivalidade feminina.

O Peter do filme é muito parecido com o do livro, mas antes do filme cogitei o Noah não ter sido uma boa possibilidade. Gostei muito que ele não pintado como um cara babaca e chatinho, pois no livro tem uma atitudes bem irritantes do personagem, mas nada que reforce este estereótipo e nem que seja abusivo.

A trilha sonora e a fotografia são impecáveis e tudo muito parecido com o livro de fato. Imaginei várias vezes lendo a história e até o quarto da Lara Jean é parecido com o que projetei na minha cabeça. E ele foi projetado no estande da intrínseca da Bienal de São Paulo. O gancho final deixou a desejar se teria uma continuação ou não, como leitora acredito que tenha sim espaço para contar mais coisas que rolaram na história e sem deixar de respeitar obra ou se tornar apelativo.


Para a nossa alegria a sequência foi finalmente confirmada, mas ainda não tem data de estréia no serviço de streaming.

Playlist do filme:

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Se não eu, quem vai fazer você feliz? minha história de amor com o chorão | Estante


Nome: Se não eu, quem vai fazer você feliz? minha história de amor com o chorão
Autora: Graziela Gonçalves
Editora: Paralela
Classificação: 
Páginas: 267 páginas.
Onde encontrar: Amazon | Cultura | Submarino

Sinopse: Depois de diversos convites, Graziela finalmente aceitou compartilhar sua história de amor com o Chorão com os fãs da banda. Narrado em primeira pessoa, a história passeia por todas as fases do casal, a autora divide os detalhes íntimos que forram cruciais na relação deles e como juntos trabalharam pela banda, construíram uma vida e dividiram sonhos. Uma história de amor real e que foi infelizmente teve um fim trágico por causa de droga, mas isso não diminui nada do que eles viveram e conquistaram juntos.

Alexandre Magno popularmente conhecido como Chorão, foi um dos grandes ícones do rock nacional e inspira muitas bandas brasileiras até hoje. Conquistou o Brasil com suas letra repletas de paixão pela música. Essa intensidade marcou também sua icônica história de amor com Graziela Gonçalves, sua esposa e companheira cujo abraçou os seus sonhos com a banda e fez tudo que podia para ajuda-ló.

Infelizmente em março de 2013, o cantor faleceu após uma overdose. E desde então a sua esposa, então viúva recebeu diversos convites para escrever um livro sobre história dos dois, mas na época a mídia a responsabilizou pelo estado mental de seu companheiro até então viciado em cocaína.

Mesmo com os alertas da esposa aos amigos, conhecidos e familiares nenhum foi levado a sério. O que resultou no abandono dele do tratamento e logo depois o óbito. Quando uma pessoa vira um dependente químico todos a sua volta adoecem e não foi diferente com ela. Após sua morte a culpabilização por algo que não lhe dizia respeito como a saúde mental de seu parceiro, o afastamento de tudo e todos foi inevitável, mas após um período sabático ao escrever esta história e visitar locais do passado através da escrita a libertou da dor e do luto, dando espaço apenas para o amor e gratidão de ter vivido essa história.
Minhas impressões:
Então, eu sempre fui muito fã da banda e lembro exatamente o que estava fazendo no dia que o chorão morreu. Estava no primeiro ano do ensino médio e tinha costume de sempre ler as notícias em portais online ao acordar, assim que abri o facebook o R7 tinha acabado de postar sobre sua morte. Peguei o celular e liguei para o meu melhor amigo na época que era muito fã do Charlie Brown Jr e disse: "você ta sentado?" "não,o que foi?" "então, senta que eu preciso te dar uma notícia" "fala" "chato, o chorão morreu" silêncio do outro lado da linha. Aquele dia no colégio foi estranho e eu que nunca tinha lidado com a morte de alguém que admirava de perto lidei pela primeira vez.

A narrativa é extremamente fluída, envolvente e muito boa para um primeiro livro. Devorei a história em um dia, foi impossível para mim largar o livro e não perguntar o que vinha depois. Todas as fases do Charlie Brown o crescimento da banda, deles enquanto pessoas e toda a espiritualidade que envolveu isso tudo. É absurdamente bom.   

Grazi, você é uma mulher incrível. Admiro sua força e coragem de contar sua história de amor e dividir algo tão íntimo de vocês. Esperei muitos anos para ouvir a sua versão do que tinha acontecido, pois sabia que mídia tinha te pitado como vilã, mas lendo este livro tenho certeza que foi feito o possível e impossível por ti para salva-ló. Se tem um vilão nessa história, esse grande vilão é a cocaína que destruiu a vida de um homem que tinha seus defeitos e qualidades, mas que com certeza deixou um legado musical esplêndido juntamente com uma legião de fãs apaixonados.  Redescobri as letras lendo a história de vocês e reconheci muitas delas no dia a dia dele, foi lindo como a espiritualidade (especialmente o espiritismo) o fez bem, ao enxergar um caminho diferente os cds tomaram outro rumo e suas letras um destino lindo e se tornando ainda mais apaixonantes, sinceras e críticas.

Chorei muito como final deste livro,pois me fez relembrar o fatídico dia em abril de 2013. E a Grazi conseguiu traduzir com uma maestria singular todas as suas emoções e conter as lágrimas foi inevitável, nunca assisti um show do Charlie Brown Jr infelizmente o Alexandre se foi antes disso e coincidentemente o Champinhom também com show marcado para Recife próximo, foram dois baques no mesmo ano e que pegaram os fãs de surpresa. Se pudesse daria todas a incontáveis estrelas do céu para classificar o quanto gostei desse livro como não posso me contento em escrever essa resenha.

Citações favoritas:

Estava naquele período da vida em que você toma consciência de muitas coisas e entra na viagem de se comparar com os outros.

Mas, quando uma coisa tem de acontecer, tudo parece conspirar a favor.

Você é linda, é inteligente, e senti uma sintonia rara entre a gente. Tô procurando alguém assim pra mim. Você é poesia em movimento.

O que eu estava sentindo era especial demais para deixar que o medo me impedisse de viver aquele amor.

Fato de que a vida era isto: uma sucessão infinita de desafios.

Eu me encantava cada vez mais por aquele cara que me ensinava o que era o amor de verdade e me mostrava que a palavra “desistir” não fazia parte do seu vocabulário.

O amor pela música nos tornava cúmplices, como se dividíssemos um segredo só nosso, e reconhecíamos, com respeito, o poder que ela tem de forjar elos inesquecíveis.

Acredito muito que, quando estamos no caminho certo, entramos numa espécie de fluxo — uma vibração na qual tudo parece acontecer em perfeita sincronia

E, sobretudo, de algo que marcou muito a identidade das letras: a coragem e a importância de não desistir dos nossos sonhos.

Afinal, a hora mais escura é aquela que precede a luz, como dizem por aí.

Mas, se você está no jogo, é bom aprender as regras. Acima de qualquer coisa, eu tinha um compromisso comigo mesma,

Que neste mundo cada um tem o seu caminho a trilhar, que não podemos andar por uma estrada que é do outro.

Não existem culpados. Assim como não é possível passar por essa vida sem cometer erros.

“Sempre que desejar algo, pode pedir ao pôr do sol. Pra mim, ele é o melhor mensageiro de Deus.”

Algumas mágoas e ressentimentos de coisas ditas sem intenção não iam embora tão facilmente.

Compartilhar uma refeição, para mim, ainda é a melhor coisa que podemos dividir com alguém.

Temos de aprender o que realmente nos faz felizes e parar de engolir padrões que acabam nos colocando dentro de caixas e nos sufocando.

Mas eu sabia que tentar simplificar as coisas e relativizar a dor do outro é muito fácil.

Aprendi que não estamos no controle de nada, a não ser das nossas próprias escolhas, e que, a partir delas, podemos criar esta ou aquela realidade.

Hoje compreendo que só me tornei o que sou graças a tudo o que vivi. Acolho cada experiência com amor e gratidão eternos. Se um dia eu quis fugir da minha história, hoje a carrego como um estandarte, com muito orgulho.

Os fãs são o maior tesouro que um artista pode ter.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

Cute but psycho | Playlist

Comecei o ano dizendo que esse era o ano da Manu Gavassi, atuando na disney, laçando e dirigindo clipes e depois a sua web série Garota errada, escrita e dirigida por ela. A cantora acaba de lançar um EP intitulado como Cute but psycho. É notável que a moça só cresce musicalmente falando, sem medo de jogar ou sair da sua zona de conforto musical suas letras continuam cheias de verdade, vulnerabilidade e sentimento.

Composto por três músicas sendo elas: cute but psycho, talvezeunemteame(tantoassim) e sim, é sobre você. A última foi minha favorita, pois ainda consigo ver a mesma garotinha que lançou seu primeiro álbum com dezoito anos e sinto toda vulnerabilidade da letra. Amanhã tem o pocket show dela aqui em Recife, confesso que estou ansiosa para reencontra-la, falar sobre o EP autografar meus cds e  renovar o abraço de 2017.

Terão dois pockets show um na Livraria Cultura às 18 horas onde foram vendidos ingressos e outro na John John gratuito ambos no Shopping rio mar.


quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Chiling adventure of Sabrina | Viciada em séries


A nova série queridinha da Netflix mal estreou e já teve confirmado um especial de natal e segunda temporada para abril do ano que vem. O mundo sombrio de Sabrina em tradução livre, conta com a produção do mesmo produtor de Riverdale também disponível no serviço de streming e já resenhada aqui no blog. Do mesmo universo da Archie comics os produtores já prometeram um crossover entre as histórias e atualmente Riverdale se encontra na terceira temporada com um pegada mais sombria sendo assim um gancho para um futuro episódio especial das séries.

A cidade de Riverdale é vizinha de Greendale cidade onde se passa a história da jovem bruxa. Sabrina perdeu os pais muito nova por isso foi criada pelas suas tias Hilda e Zelda. Na companhia de seu primo Ambrose Spellman que está em prisão domiciliar como castigo por se revelar aos mortais. Prestes a completar dezesseis anos, a jovem bruxa precisa tomar um decisão que irá mudar seu destino no mundo dos mortais. Ela precisa renunciar a sua vida humana, assinar seu nome no livro da besta e se entregar nas mãos de Satã.



Dentro da primeira temporada vamos encontrar diversas discussões e dentre elas religião e empoderamento feminino. Antes de assinar seu nome no livro, a jovem entra em conflito sobre suas escolhas e se é isso mesmo que ela quer, pois após renunciar sua vida enquanto mortal perderá o contato frequente com seus amigos e consequentemente seu namorado Harvey. Então, ela começa a questionar se quer de fato de tornar uma bruxa e se vai porquê tem que abrir tudo em nome de Satã?

A fotografia da série é extremamente importante, sútil e conversa com a narrativa. Os dois primeiros episódios são para conhecer a série, a personagem e todos que são importantes nessa narrativa. É repleta de referências a filmes de terror e tem um episódio todo baseado no exorcista. Muitas referências dos anos oitenta assim como Stranger Things. A trilha sonora tem desde hits dos anos oitenta a bandas atuais e deixarei o link disponível aqui. O teaser da segunda temporada acabou vazando nos EUA obrigando a netflix a disponibilizar o oficial e data de estreia da segunda temporada que é 5 de abril de 2019. E nesta sexta sexta dia 15 estréia o especial de natal da série.


segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Começando do zero | Escritos

Leia ouvindo: Viva - Zimbra

Quando se tem ansiedade o simples ato de recomeçar é difícil. 

Nós últimos três anos, escrever nesse blog tem sido uma das poucas coisas na quais concentro minha energia e me faz extremamente feliz. Neste ano todos os projetos em que me envolvi ou simplesmente arquitetei deram muito errado. E no começo foi inevitável não me culpar, me comparar e ter vontade de desistir de novo. Sim, de novo. A ideia de apagar este site sempre me assombra nos momentos mais complicados da minha vida pessoal, profissional e adulta. Não tenho mais treze anos, mas às vezes me sinto como uma garotinha assustada na maior parte do tempo. O diagnóstico da ansiedade colaborou de certa forma com tudo. Sempre me cobrei demais, pois fui criada dessa maneira e não sei sei gentil e compreensiva comigo mesma, mas estou aprendendo sobre isso na terapia.

Às vezes eu preciso me permitir desmoronar e entender que está tudo bem, pois não sou uma grande muralha. É como a Clarice Freire uma das minhas autoras favoritas escreveu uma vez "Tentando segurar água entre os dedos, vi o quanto é inútil me segurar aos meu medos." Comentei sobre deixar de ser medrosa a pequenos passos nesse texto aqui. Em comparação aos últimos anos adquiri a postura da mulher cofiante e que entende que vai dar sim pode dar errado, pois ninguém além de Deus pode ter o controle de tudo. (escrevendo isso, mas sigo afastada de religião e me sinto muito melhor assim, pois quanto mais conheço a repeito de religião mais entendo que isso não tem nada a ver com Deus)

Uma das minhas melhores amigas viajou na terça passada para um dos lugares que mais quero conhecer no mundo e na companhia dela. E isso me deixou muto feliz por ela estra tendo essa oportunidade, mas deixou meu coração morrendo de saudade e a despedida dela me rendeu um conto que estou pensando em escrever e postar no natal (sem promessas rs). Me senti muito na necessidade de escrever sobre isso por aqui, pois desde que escrevi sobre saúde mental por aqui tive muitos comentários positivos a respeito (eu chorei com algumas mensagens). Provavelmente está é a minha crise dos vinte se prolongando mais do que devia, porém ao mesmo tempo que vivi coisas dolorosas demais como perder o meu avô, entrar em crise por mais vezes do que posso contar e perder o primeiro show da minha banda favorita na cidade.

Conheci pessoas amáveis que espero sempre manter contato pela energia boa e conversa bacana. Fui ao segundo show da minha banda favorita com direito a foto com os membros, comecei finalmente o rascunho de Fred e Júlia (meu primeiro livro vem finalmente :'), entrei numa jornada de autoconhecimento a respeito de escrita e encontrei a minha voz na literatura. Parece que vivi cinco anos em apenas um e os astros nem me alertaram disso. Minha estante de livros cresceu, mas ao mesmo tempo que isso aconteceu a estante também foi esvaziada. Fiz uma promessa a mim mesma de que todo ano iria doar alguns livros no meu aniversário. Meus pais nem sempre tiveram bons salários e minha vó nem sempre me deu grana como hoje. Desse modo, pensei que seria muito legal proporcionar para uma garota que assim como eu, pudesse ser salva pelo livros sendo levada a enxergar outras narrativas dentro do mundo e enxergasse um lugar para ela nele.   

É coisa demais para saber numa folha de caderno né? por isso eu corri e abri a janela de nova postagem. Não vou prometer nada e nem dar spoilers, mas uma nova fase vem ai e espero conquistar novos leitores e cativar os mais velhos. Se você se sentir com vontade partir tudo bem, às vezes duas pessoas estão em tempos diferentes da vida e por isso eventualmente se desencontram ou deixam de fazer parte do mesmo ciclo. Só espero que assim como eu aprendo com a minha psicóloga toda sessão, você compreenda que é importante respeitar sua jornada e algumas pessoas que já fizeram parte dela.

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Resistindo ou só indo? | Escritos


Meu corpo está cansado e a mente tentando reagir ao resultado.

Só que a lua está em câncer então estabilidade emocional não teremos tão cedo. Achei que o mundo estava ao contrário quando liguei a TV e vi o resultado. Dormi pedindo que tudo fosse um sonho ruim, mas o pesadelo é real e nesse meio tempo já se instaurou o caos. Não tem para onde fugir ou correr, está tudo acabado.

Passei o dia sentindo o peito pesado e pedindo para estar errada sobre os próximos quatros anos. Recebi áudios aos prantos, mensagens repletas de medo e a angústia só cresceu. Não sei como começar a me fortalecer. A militância que me perdoe, mas eu não consigo ir às ruas agora. O peso da derrota é grande e saber lidar com ele não é algo que nos foi ensinado. Fala-se muito sobre vitórias, mas em todo o nosso caminho histórico isso jamais foi debatido e/ou ensinado. Lidar com a derrota dói mais do que imaginei. Vi o Chico chorar, vi o feminicídio atacar, vi a criança sofrer, vi gente desaparecer, vi a história se repetir e assisti a democracia morrer.

Todos nós perdemos.

Só que para alguns grupos especialmente os minoritários a dor nem consegue ser descrita, pois o país que mais tira suas vidas votou contra sua existência. Como sobreviver a isso?

A pergunta não vai sumir da minha cabeça e provavelmente nem na sua que está lendo isso. Ninguém sabe como seguir não existe fórmula secreta para tudo. Infelizmente as coisas não são tão pragmáticas como na matemática, mas apesar de você amanhã há de ser outro dia. Perdemos na urna, porém não vamos perder enquanto grupo.

Resistindo ou só indo? Sinceramente, não sei. Levantamos hoje e seguimos. O amanhã que vai chegar é com vocês.

Se fortaleçam, pois há luta.

terça-feira, 25 de setembro de 2018

Um mapa astral musical | Playlist


A banda Hotelo lançou seu CD novo e ele é todo inspirado nos signos do zodíaco. O disco foi liberado no último dia (31) de agosto à meia-noite em todas as plataformas digitais. Com doze participações dente elas Atitude 67, Anavitoria, Caio Corrêa (ex integrante do Scracho), Dinho Ouro Preto, Jade Baraldo Nina Fernandes e outros. Conheço a banda de outros trabalhos e adorei a ideia de explorar os signos e com um tom engraçado, gostoso e sarcástico, se jogando em ritmos diferentes.

Os arranjos adequados para cada cantor foi a sacada mais legal em todo disco. É sempre muito bacana sair da zona de conforto seja ela musical ou qualquer outra. Todo processo criativo para construção do disco foi um grande desafio, mas que agregou demais para todos que fizeram parte deste processo criativo. Em um vídeo curto no seu canal do youtube, eles ilustram um pouco de como foi a experiência e contam que o disco foi gravado em casa.

Trechos das canções favoritas:

Mas não se esconda num casulo
Sem tu não é seguro viver

Pode crer. (...)
Câncer (part. Vitória Falcão)

Eu vou com todo mundo
Que é com todo mundo que eu quero estar
É esse abraço que eu quero apertar

E nesse abraço cabe um milhão
Libra (part. Ana Caetano)

Eu não dependo de ninguém
Ser livre é lindo
Mas devo te admitir

Que encontrar teu caminho atrapalha
Virgem (part. Nina Fernandes)

Mas não venha me irritar
O modo de eu trabalhar
Lentidão é perfeição
E agora eu vou jantar pra depois
Touro (part. Pedro Calais)

domingo, 2 de setembro de 2018

Ana e Vitória | Manteiga de cinema

Foto: Papel Pop

Na sexta (03) de agosto, compareci a sessão especial organizada pelo Cinemark em Recife para a sessão do filme Ana e Vitória com a presença das cantoras. O evento foi bem cheio e o que levou as fotos que seriam individuais serem em grupo, pois já estava atrasado devido a outra sessão que aconteceu mais cedo organizada pelo shopping também.

O filme é uma mistura ficcional de tudo que aconteceu na trajetória das cantoras até aqui de uma forma leve e engraçada como a dupla. A trilha sonora é linda e foi composta por elas e as faixas acabaram fazendo parte de seu disco novo O tempo é agora já tem post por aqui contando o que achei. A comédia romântica é linda, leve e tem muitas particulares que foram exploradas no roteiro e na montagem das cenas. Também teve participações especiais como as de Mari Nolasco, Pedro Pascual, Mike Túlio e Guto Oliveira da banda Outroeu. 

Foto: Aletral
O longa tem muito a carinha do duo provavelmente pela participação integral delas tanto no roteiro e por serem as mesmas que representam seus próprios papéis na história. Quando saiu o pôster achei que fosse uma brincadeira e me peguei pensado se seria uma boa esse filme. Confesso que amei ser surpreendida por cada coisa importante na narrativa que compõe este longa. Tudo é muito importante e é uma comédia romântica com bastante representatividade lésbica, bissexual e que gostaria ter assistido quando era pré-adolescente. A Clarissa Müller foi uma das atrizes revelações famosa nas suas redes sociais ela canta e atua revelando seu artístico lado para os seus seguidores. 

Além de músicas inéditas a trilha sonora é composta por sucessos do início da carreira da dupla. A classificação indicativa é de 12 anos. O filme estava em todos os cinemas do Brasil e vale com certeza uma ida ao cinema para sair de coração mais leve e energias recarregadas. E espero poder comprar dvd e trilha sonora para sempre ouvir as músicas da maneira que foram interpretadas, pois gostei demais.

Serviu também para que os fãs a enxerguem como duas pessoas diferentes e não integrantes de uma coisa só, mas o conjunto de algo. 

Foto tirada no evento:
Trailer do filme:

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

O tempo é agora | Playlist

Na madrugada da primeira sexta do mês (02), Anavitória surpreendeu os fãs ao lançar um disco novo em todas as plataformas digitais logo após seu filme ter estreado nos cinemas.O tempo é agora conta com onze faixas das quais dez entraram nos top 100 do Spotify no primeiro sábado após o lançamento.


As músicas falam muito sobre amores fluídos, recomeços e términos. Diferente do primeiro álbum do duo este me parece mais emocional, profundo e sensível que o primeiro. As letras são mais sofridas e falam muito de amadurecimento, se encontrar no amor seja ele qual for, se perdoar, sentir dor e sobre sentir completo antes de ficar com alguém. A Ana é uma compositora fantástica que só cresce todo dia e isso ficou muito nítido nas letras.

Minhas canções favoritas são: Cecília, Outrória (parceira com Outroeu), Canção de hotel e Dói sem tanto. Na verdade amei o disco todo, mas estas em particular tenho escutado no repeat do spotify. Os Cds físicos já chegaram em algumas lojas e a turnê já começou as cantoras postaram um pouco do making off da criação do segundo álbum nas suas redes sociais e também prometeram clipes em breve.

Trecho das minhas canções favoritas: 

"Que tua amarra no meu peito não se deu..."

"
Eu nunca vi ninguém

Fazer tanto barulho num só coração..."

"Saudade parece não ter tamanho

O mundo sem ti, nem vi, nem é..."

"Tu me diz todo segundo
Que ser liberdade vem de dentro
Diz então
Porque tuas amarras me machucam?
Eu sei nossa verdade é bonita
Lealdade é coisa rara
Mas meu canto pede solidão pra ver o mundo"

Lembro de quando indiquei os covers dela aqui no blog e um tempo depois elas estavam produzindo seu EP depois o primeiro disco, agora o segundo e fico muito feliz de ter acompanhado tudo desde o primeiro show aqui em Recife até agora. Espero que trajetória do duo ainda alcance vôos mais intensos que os de agora é lindo de ver tudo do lado daqui.   

Algumas coisas acabam ficando no caminho | Escritos

Leia ouvindo: Mercy - Shawn Mendes

As coisas mudam, o tempo passa e os sentimentos não são mais os mesmos. Os pequenos detalhes que afetam tanto passaram a ser quase ignorados ou apenas vistos e deixados de lado. 

A gente cresce os sentimentos mudam. Amadurecemos e às vezes eles crescem conosco, mas na maioria das vezes ficam no caminho. Não por raiva, rancor ou ausência de reciprocidade, mas por que um dia a gente olha pra trás depois de tanto se afundar num sentimento e percebe que foi tudo um equívoco. Nada mais do que uma história que aconteceu no tempo errado ou que só não tinha para ser. 

Os sentimentos certos aparecem nas horas erradas e menos oportunas. É como se a vida quisesse nos fazer um teste de amadurecimento e quase sempre a gente reprova. Por não ter maturidade ou por simplesmente não estar preparado para isso. "O amor vem para os distraídos" e isso não significa dizer que eles estão preparados para ele e toda intensidade que vem junto com o momento.

Perdemos amores, ganhamos dores, mas aprendemos a viver com elas. E um dia elas simplesmente deixam de existir, evaporam por mais que a gente tente fugir evitar ou nos convencer que essa hora chegou. Ninguém nunca sabe o momento certo.


": frase da Isabela Freitas.

domingo, 26 de agosto de 2018

16ª Festival de literatura Recifense

Foto: Reprodução/Divulgação

Aconteceu este fim semana (26), o 16º Festival de literatura Recifense: A Letra e a voz que contou como homenageado o poeta Miró da Muribeca famoso na cidade por sua poesia de cunho social. Comparecemos ao evento no sábado para oficina de Clarice Freire também escritora e Pernambucana que ministrou uma oficina de escrita criativa para quem se inscrevesse onde só era preciso entregar um livro de um autor Pernambucano para doação.  

Assim como ela Fred Caju, Marcelino Freire e João Lin ministraram essas oficinas ambas no mesmo horário das 14h às 17 horas. A oficina da Clarice foi linda e um marco para quem quer ser escritor ter noção de por onde começar a entender esse mundo de escrita e não ter medo da palavra antes de escrevê-la. 
 


 No domingo, rolou o encerramento que infelizmente não consegui comparecer teve um sebo e um Jam poético-musical com Amaro Freitas, Bel Puã e Miró. Não rolou muito apoio da mídia local pelo que pude perceber, só conheci o festival graças a Clarice e a Jubs do Lanterna Lunar que me enviou o post da autora sobre a oficina.

O que é muito triste, pois em tempos onde estamos discutindo o que é ou não literatura estamos vendo pessoas se apropriando de um discurso elitista para falar a respeito disso em grandes veículos. O que diz muito sobre quem estamos deixando ocupar estes espaços e por que mesmo Miró sendo um poeta do povo não recebeu toda essa atenção mais que merecida? São ótimos questionamentos a serem feitos a respeito dos próximos festivais e a divulgação deles para o povo possa de fato ter acesso a este espaços. Afinal, a cultura tem que ser democratizada a todos.  

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

Céu sem estrelas | Estante

Nome: Céu sem estrelas.
Autora: Iris Figueiredo.
Editora: Seguinte.
Páginas: 357 páginas.
Classificação: 

Onde comprar: Amazon | Cultura | Saraiva | Submarino 

Sinopse: Cecília acabou de completar dezoito anos e parece que a maior idade chegou com tudo inclusive mais responsabilidade do que esperava. Perder seu primeiro emprego e entrar num briga terrível como a sua mãe vai bagunçar mais ainda suas expectativas sobre futuro, faculdade e isso faz com que ela acabe tendo que ir morar a casa melhor amiga. Onde acaba se aproximando de Bernardo e os dois engatam num relacionamento Um livro sobre saúde mental, romance e família.

Cecília tem muitos traumas e os guarda para si junto com alguns ressentimentos dos seus relacionamentos familiares. Ela e sua mãe tem uma dinâmica comunicativa complicada pela ausência de seu pai e por ela não entender algumas escolhas de sua mãe. Bernado nunca teve um relacionamento sério e guarda muito de seus traumas para si por medo de não ser compreendido, mas acha que finalmente está pronto para se abrir e ter um relacionamento com alguém. Logo quando Cecília se muda para sua casa e eles se aproximam tudo parece fluir com naturalidade .

Uma história sobre amor, família, amigos e saúde mental. Iris escreve com uma sensibilidade imensa e emerge o leitor em suas histórias com facilidade. A busca por compreensão dos jovens é retratada de maneira crua, dolorosa e real. E essa é uma das belezas de sua escrita buscar compreensão no desconhecido e não amaciar as palavras, entender a tristeza em todas suas nuances e compreender quando se precisa de ajuda.




Minhas impressões:
Não é segredo pra ninguém que sou uma grade fã da Iris e quando ela disse que seria publicada pela seguinte fiquei muito feliz por esse reconhecimento. Nos conhecemos em 2015 na Bienal do livro de Pernambuco e acabei comprando Confissões online desde então sigo apaixonada pela sua escrita.

Este livro me acolheu extremamente quando mais precisava. Céu sem estrelas é mais um livro YA e rompeu todas as expectativas que tinha ao superar todas elas. É incrivelmente poético, real e triste. A Cecília encontra um lugar comum em meio as palavras tristes, vida adulta e faculdade. Senti cada palavra deste livro e não poderia ficar mais feliz por algo tão verdadeiro, cru e responsável sobre saúde mental para jovens ter sido publicado. Espero que possa alcançar muitas pessoas, já foi o mais vendido da flipop e espero que esgote na bienal.

No Brasil, grande parte dos adolescentes sofrem de transtornos mentais graças a tecnologia, vida ou só a crueldade na qual foram inseridos desde muito novos (socialmente falando). Enfim, existem inúmeros motivos para recomendar para vocês é nacional, bem escrito, tem muita representatividade e foi o primeiro livro que li com personagem deficiente e gordo que eram relevantes na história. Mas espero que se você ler este livro e se identificar com a Cecília em alguns pontos procure ajuda. Saiba que apesar de algumas vezes não conseguir levantar da cama existe uma saída para o que você está sentindo. Esta saída está próxima de você mesmo que a tristeza não o deixe enxergar isto, procure ajuda. 

Além de tudo isso toca em um tema muito importante e pouco debatido nas mídias tradicionais gordofobia. Fala-se muito sobre corpo, padrão de beleza, transtornos e compulsões alimentares. Mas ainda é preciso desmitificar a figura da pessoa gorda na mídia, na medicina e na sociedade como um todo. A autora fez isso com maestria nesta história e com uma sensibilidade única característica de sua escrita.  

Citações favoritas:

Acho que todo mundo só enxerga no outro aquilo que é conveniente.

Só queria estar com alguém que me permitisse descobrir quem eu queria ser. Quem me visse e me aceitasse do mesmo jeito.

Não gosto de coisas tristes por si só, se é isso que você quer saber. Mas eu gosto de saber que há pessoas por aí que me entendem, de certa forma.

Porque o mundo não quer que a Mística seja ela mesma.

Que às vezes que você tinha a sorte de encontrar alguém que era capaz de ouvir as questões existenciais que você tinha para compartilhar sem rir ou fazer pouco caso.

Pessoas são sempre complexas.

Era só um lembrete de que a dor podia ser sentida se outras formas - que podia ir para fora, que por uns instantes não ia me consumir por dentro.

À princípio não entendera muito bem que o estava acontecendo, mas me me importava com ela e queria protegê-la do mundo, embora soubesse que não era capaz daquilo.

As coisas ficam pequenas lá de cima. A gente percebe como é pequeno diante da imensidão do mundo.

Sempre existe uma saída, mesmo que a gente não consiga enxergar.

A vida é muito mais do que o sentimento que o sufoca.

Há muitas estrelas no céu, não deixe que as nuvens te façam se esquecer disso.

segunda-feira, 23 de julho de 2018

TED's favoritos | Blogosfera

Nos últimos dias, tendo assistido bastante teds que são palestras online em inglês ou português algumas com legenda disponível. Vou compartilhar aqui alguns dos meus favoritos. Crescimento pessoal e ampliar a minha compreensão de mundo tem se tornado um dos meus pilares este ano. E como em todas fases deste blog é claro que iria compartilharia um pouco disto por aqui também. 

Espero que vocês de alguma forma se questionem entre os discursos, saiam da sua zona conforto e/ou bolha social e repensem quem são, pra onde vão e como estão. O propósito do blog se tornou de fato fazer a literatura acessível, mas compartilhar este tipo de conteúdo também é importante para dar voz ao tipo de conteúdo que acredito na internet.

Foto: Twitter.

A mulata que nunca chegou | Nataly Néri Aprendo com ela desde que me inscrevi no seu canal do youtube. Uma cientista social, youtuber e mulher inspiradora. Entender sobre racismo, colorismo, questões sociais dentre outras coisas este vídeo me tocou demais.   

Foto: TED
Get comfortable with being uncomfortable | Luvvie Ajayi Particularmente fiquei maravilhada com cada palavra desta mulher e por me encontrar numa fase parecida, mas reconheço que a dela é ainda mais difícil diante de tudo que ela cita sobre sua caminhada. O que mais me deixou inquieta foi o seguinte comentário "seu silêncio não serve a ninguém". 


Foto: Youtube.

What makes you special? | Mariana Atencio Este aqui foi o último e ainda estou tentando lidar com as milhares de coisas ditas por esta mulher. Jornalista da NBC News fala sobre sua caminhada, esforços e milhares de outras coisas agregadoras. 

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Próximas adaptações literárias | Manteiga de cinema

O último livro de Jennifer E. Smith publicado no Brasil com o título de original Windfall traduzido Sorte grande vai virar filme. E quem está escrevendo a adaptação é Lauren Graham atriz e escritora icônica conhecida por alguns de seus papéis famosos sendo um deles na série Gilmore Girls como Lorelai Gilmore. A Jennifer também trabalha com editora e trabalhou com o livro de memórias de Lauren Falando o mais rápido que posso.

Sorte grande conta a história de Alice que não acredita na sorte após perder seus pais quando era mais nova juntamente com seu melhor amigo Teddy e primo Leo. O livro já foi resenhado aqui no blog, você pode conferir clicando aqui. 


Turma da Mônica Laços - O filme em janeiro teve seu primeiro teaser divulgado e algumas fotos liberadas recentemente. Ainda não li essa HQ, mas pretendo ler antes de 2019 o filme estava anunciado para 2018, mas foi adiado. Quem cresceu lendo Turma da mônica sabe que são primeiros livros para começar a sua vida enquanto leitor e despertar seu interesse na leitura assim como outros gibis, quadrinhos e tirinhas.

Site para se cadastrar e conferir as novidades: https://www.turmadamonicaofilme.com.br/


O livro Boy Erased também será adaptado felizmente a editora intrínseca revelou que irá lançar o livro em outubro. O filme chega ao Brasil em 2 de novembro. O livro é uma história sobre religião, intolerância e família de acordo com sua descrição no Goodreads. Pelo trailer já me emocionei demais e com as resenhas do Goodreads também. Confira o Trailer:

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Sorte Grande | Estante

Nome: Sorte Grande.
Autor: Jennifer E. Smith. 
Editora: Galera Record.
Páginas: 384 páginas.
Classificação: 
Onde encontrar: Amazon | Cultura | Saraiva | Submarino

Sinopse: Alice não acredita mais em sorte depois que perdeu os pais tragicamente. Mas ainda acredita no amor de seus tios, o primo Leo e o melhor amigo o Teddy. Uma combinação maluca de datas especias, bilhetes de loteria e aniversários faz com que ela dê um bilhete vencedor de presente para o seu amigo. O garoto acaba ganha a bolada de quase 150 milhões de dólares e isso muda tudo na vida dos três amigos. Um beijo trocado na hora errada acaba deixando tudo ainda mais confuso. Dinheiro não compra amor, mas será que ele não pode ajudar esses garotos?

Alice tem uma vida feliz com seus tios, mas ela daria tudo para poder abraçar seus pais outra vez. Desde que eles se foram é como se um muro tivesse se erguido sobre ela e deixar as pessoas entrarem é complicado, pois não é tão fácil quanto parece. Quando seu melhor amigo Teddy está prestes a completar dezoito anos ela acredita que um bilhete de loteria seria um ótimo presente. Com a combinação de aniversários e datas importantes ela aposta no presente sem pretensão de que tudo fosse mudar a partir daquilo.

Teddy e sua mãe tem tido uma vida difícil desde que o seu pai os deixou. O dinheiro vem na hora que ele menos espera e proporciona tudo que ele queria dar a mãe: mais conforto e menos tempo trabalhando. O que ele não esperava que um beijo trocado entre as comemorações o deixasse tão confuso e incerto sobre o futuro. 


Minhas impressões:
A narrativa da Jennifer é uma das minhas favoritas. Sou complemente apaixonada pela maneira que ela descreve os personagens e maneira com que faz a narrativa parecer leve mesmo com assuntos mais pesados. Uma das características de sua escrita é escrever romances com enfoque familiar o que particularmente me fez ficar apaixonada por ela desde A probabilidade estatística do amor à primeira vista e A geografia de nós dois já resenhados aqui no blog.

Escrever sobre problemas familiares tão bem é realmente o dom dessa mulher. Confesso que não gostei muito do Teddy em alguns momentos da história, mas entendo as motivações de algumas atitudes dele, só não concordo. Sempre tocando em temas profundos e acolhedores dentro do âmbito familiar ao citar as características de famílias que mesmo dentro de esteriótipos funcionam disfuncionalmente, pois não exite um modelo ideal.

O romance sempre tem um segundo plano. Ela faz os amigos serem uma espécie de rede para os problemas familiares e desavenças da vida. Sempre criando um grupo de amigos ou um determinado personagem de importância na história. A Alice, Leo e Teddy assim como muitos adolescentes estão passando pelos dilemas de descobrir quem eles querem ser e quem vão se tornar depois do ensino médio. E acompanhar isso tudo a partir da perspectiva da autora e sua narrativa particular é o que sempre me deixa animada para um novo livro dela. 

A narrativa parece cansativa caso você não esteja habituado aos livros dela, mas assim como em A geografia de nós dois tudo isso influência no resultado final onde todas as ponta se encaixam.

Citações Favoritas:

A vida não se curva a vontade de ninguém. E também não funciona baseada em um sistema de créditos. Só porque o mundo roubou algo de mim, não significa que me deva outra coisa em trica. E só porque estoquei uma quantidade grande de má sorte, não significa que vá receber algo de bom em troca.

As coisas que eu mais queria no mundo não podem ser compradas com dinheiro.

Quantas vezes uma vida pode ser dividida entre antes e depois?

Para sempre, penso, fechando os olhos por um segundo. Parece uma promessa tão frágil.

E ser parte de uma coisa - ser realmente parte - significa que essa coisa pode ser tirada de você. Significa que você tem algo a perder. E eu já perdi coisas demais.

Existem todo tipo de palavras que podem nos descrever. Mas a gente é que escolhe as mais importantes.

Você já foi a maior sorte que me aconteceu. 

Estar tão próximo de alguém que você ama sem que a pessoa saiba. Sem que ela jamais retribua. É terrível também.

Não é nenhum crime você sabe né? - O que? - Sua cabeça e seus coração estarem em lugares diferentes.

Às vezes, parece que o tempo é maleável, como se o passado se recusasse a ficar quieto e você acabasse arrastando por aí com você, querendo ou não. Outras vezes, parece tão antigo e distante quanto aqueles castelos. Talvez seja assim que as coisas devam ser. 

Há um espaço entre esquecer e seguir em frente, e ele não é fácil controlar.

Eu devia saber melhor que qualquer pessoa que a sorte não é um recurso infinito.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Driblando a ansiedade e criando novos personagens | Escritos

Foto: Pinterest

Tem dias que a ansiedade parece que vai me engolir.

E eu particularmente detesto isso profundamente. Às vezes é bem pesado porque eu simplesmente não consigo desligar a minha mente e dormir. Outras vezes é dilacerador internamente falando pensar demais, fazer de menos e isso se tona um ciclo constante. Se todas as coisas que penso num dia fossem anotadas provavelmente não teria tantas agendas incompletas guardadas no meu quarto.  

Porque se tem uma coisa que faço é pensar e divagar, na verdade literalmente viajo entre meus pensamentos. Sabe aquele lance de uma moeda pelos seus pensamentos acho que vi isso num filme, mas não lembro qual. Se alguém me dissesse isso provavelmente ficaria assustado com o volume e ritmo em que as ideias dançam na minha cabeça. É louco e pode ser bem desesperador às vezes, já fui rainha em sofrer por antecipação e olha me fazia um mal do cassete, mas com o passar dos anos venho conseguindo levar bem melhor com mais nitidez em determinadas situações. Hoje, penso, o que posso fazer para resolver isso? Como posso levar isso na calma sem ter um leve surto interno jogar tudo pro alto e correr pro mais longe possível? parece estranho, porém funciona. 

Nos dias que a ansiedade te domina e você não controla nada. Respirar fundo e pensar nessas coisas é uma mão na roda, mas isso não quer dizer que vai funcionar sempre. Às vezes me permito ficar na merda mesmo, sentada na minha cama sem livros (um milagre) sem música (um segundo milagre) e apreciando o silêncio que por mais seja solitário é muitas vezes onde crio minhas histórias, penso nos meus personagens converso com eles mentalmente e os imagino como se eles fossem meus melhores amigos. E então penso, é eu poderia escrever isto ou aquela história é realmente legal. Que texto de merda foi esse que pensei? ninguém leria isto, mas ai reviso dez vezes e acho que está incrível e que o mundo precisa ler.

Isso basicamente tem acontecido com mais frequência do que gostaria, mas sigo driblando a ansiedade e pondo minha saúde mental no pódio de coisas com as quais preciso me manter alerta, ou seja, no primeiro lugar antes de tudo pelo qual a maioria as pessoas não consideram importante, mas é de SUMA IMPORTÂNCIA. Apesar de existir todo um discurso de saúde mental atualmente todos nós sabemos que isso não alcança todo mundo e que nossos pais viveram numa geração completamente diferente da nossa. E inserir eles a está realidade é complicado, mas não impossível. 

E se você se identificou lendo o texto nunca é tarde para pediu ajuda, viu? (E nem para amar, eu amo esse filminho assistam) Você só precisar dar o primeiro passo.

domingo, 8 de julho de 2018

O coração escolhe o que quer | Escritos

Foto: Pinterest

Felizmente eu aprendi a levantar da cama e dizer que está tudo bem no dia seguinte. Sabe, cansei de chorar pelos cantos por você. Tem uma música da Selena que diz the heart want what it want que numa tradução literal seria o coração escolhe o quer. 

E o meu basicamente escolheu se livrar de você. Tomar um dose de amor próprio com gostinho de vodca com energético, mas quem se importa? É passado, nós somos passado. E agora olhando para trás com clareza e sendo sincera comigo mesma uma relação onde um sete pelo dois está fadada ao fracasso. Sempre soube que não passávamos de um laço daqueles que fazemos no sapato quando estamos com pressa e ele se desfaz com facilidade ao longo do dia. Mas o que me deixou confusa foi misturar razão e coração, o meu sabia o que queria o seu queria tudo e um pouco mais do que eu não tinha pra te oferecer naquele momento. Uma pena disse para mim mesma até te ver de novo na rua e nos beijarmos de novo.

Você me prometeu as estrelas e tirou meus pés do chão, mas da mesma forma que você me fez promessas fadadas ao fracasso me iludi e achei que todas elas iram se realizar num passo. Um grade demais para nós dois e curto demais para aquilo que estava prestes a se realizar na minha vida. Você disse que não tinha mais espaço para nós dois neste diálogo porque eu já tinha preenchido suas lacunas o que te deixou frustado.

Mas me diga meu amor, o que eu poderia fazer se o coração escolhe o que eu quer e ele simplesmente não escolheu por nós dois?

Existia um milhão de motivos para abandonar você, mas me fiz de cega e continuei ao seu lado. Meu erro, confesso. Tornei a corrigir assim que pude e segui meu caminho como já era esperado. E mesmo que os becos e esquinas nos esbarrassem constantemente, cada um seguiu para o seu lado. Fui viver minha vida e me tornei a mulher quem sempre quis ser (mas estava ocupada tentando juntar os pedaços desta relação fadada ao fracasso) já você não fiz muita questão de saber.

sábado, 7 de julho de 2018

Quinze Dias | Estante

Nome: Quinze Dias.
Autor: Vitor Martins.
Editora: Globo Alt.
Páginas: 208 páginas.
Classificação: 
Onde encontrar: Amazon | Cultura | Saraiva | Submarino


Sinopse: Felipe todo ano espera ansiosamente pelas férias de julho que é quando finalmente fica longe dos seus colegas de classe que o maltratam. Os planos dele são colocar as séries em dia, ler alguns livros ou simplesmente ficar só de bobeira mesmo. Porém todos os seus planos vão por água a baixo quando Caio seu vizinho por quem ele tem um crush vai passar quinze dias da sua casa e sua mãe esqueceu de contar para ele.

O Felipe sofre muito bullying por causa dos seus colegas de classe pro ser gordo e eles simplesmente se acharem no direito de usar isto como desculpa para o ofender o tempo inteiro. Em meio a todas as suas questões pessoais sobre corpo, sexualidade e amor o garoto se vê perdidamente apaixonado pelo seu vizinho caio cujo já foi seu amigo na infância. 

O Caio é superfã se senhor dos anéis e queria que os pais confiassem mais nele ao invés de o deixar na casa dos vizinhos ele gostaria de ficar e casa sozinho.O livro vai se passar num período de quinze dias e as pequenas coisas sempre importam muito na história. Tudo acontece naturalmente e gradativamente.



Minhas impressões:

É uma história de amor sem tragédias e isso é muito importante para a vivência, pois o Brasil é um dos países que mais mata LGBTQ+ e histórias como está só reforçam que todo mundo merece viver uma história de amor. E que algumas pessoas finalmente precisam enxergar isso com mais amor e menos ódio e parar de querer enfiar o nariz no relacionamento alheio.

O livro também trás várias discussões importante sobre corpo, amizade, família e amor. Me diverti muito lendo a escrita do Vitor é muito gostosa, ele é bastante engraçado e trás várias referências a cultura pop fazendo com o leitor se encontre na narrativa.



Citações favoritas:


E eu sei que não posso proteger todas as crianças, mas às vezes a arte pode. 

Ela é sua mãe. Ela e ama desde o segundo em que vocês nasceu.

O mundo inteiro é seu.

O destino pode ser um escudo ou umas espada. Cabe a você decidir.

Mesmo sendo magra, Melissa tem suas inseguranças. Então magreza não é um prêmio que se ganah na loteria e garante a felicidade eterna.

Eu já assisti comédias românticas e frequentei sessões de terapia por tempo demais para saber a minha felicidade não pode depender de outra pessoa.

Um dia você aprende a gostar mais de quem você é, e isso vai refletir em como as outras pessoas vão te enxergar. 

domingo, 1 de julho de 2018

As escolhas de amanhã ainda vou fazer | Escritos


Eu não gosto de magoar às pessoas. Embora tenha consciência de que isso pode fugir um pouco do meu controle. Às vezes, me pego pensando num momento aleatório e revendo se podia fazer diferente, se tinham outros caminhos dos quais ignorei ou simplesmente não prestei atenção. Só que em outros momentos isso não está no meu controle e é preciso ter consciência disso. Tanto pelo meu bem estar físico como mental, pois tem coisas que de fato são minha responsabilidade emocional, mas outras que nem de longe são. E, por isso sempre faço uma listinha mental se minhas escolhas vão afetar a vida de alguém e o quão profundo isso vai ser para mim e a outra pessoa.

Ninguém gosta de magoar ninguém. Mesmo que as pessoas digam que não se importam uma hora pôr a cabeça no travesseiro e olhar para o passado é inevitável. Por isso tenho preferido pensar que apesar do futuro ser consequência do passado minhas escolhas passadas não definem quem sou de verdade (a gente muda o tempo todo). Afinal, vivi muitas coisas e parte delas fugiram completamente do meu controle, fui honesta suficiente comigo para jogar a toalha no ano passado e admitir para minha mesma que tudo bem jogar a toalha. Já não estava bem faz tempo. Finalmente meu corpo e mente reconheceram que estava na hora de seguir. E é inevitável deixar algumas pessoas no caminho. Ninguém pode segurar ninguém nesta vida, embora sempre queremos estender a mão para o outro mesmo quando estamos até pior que ele.(pare com isso não é saudável)

Uma pessoa que admiro muito me disse uma vez que para os que são empáticos é preciso se compreender e respeitar para entender melhor aqueles que se desconhece. E me alertou que existem diversos tipos de sugadores de energia e podemos ser eles ou sofrer com eles. Geralmente, quem se põe em segundo lugar sofre com eles e quem acha que a vida de uma pessoa gira em torno de si mesmo quando existem problemas maiores os quais até desconhece, pois está tão cego que nem vê o que está na frente dos seus olhos é um sugador. Drummond dizia que "tinha apenas duas mãos e o sentimento do mundo" Cecília que "não tinha estas mãos sem força frias e mortas" e Pessoa disse antes de morrer que "não sei o que o amanhã trará". Eu costumava acreditar que não era dona do destino, mas descobri que sou dona das minhas escolhas e as escolhas de amanhã ainda vou fazer.

terça-feira, 26 de junho de 2018

Liberado o trailer de The Hate U Give | Manteiga de cinema

Finalmente liberaram o trailer de The Hate U Give ou traduzindo para português O ódio que você semeia publicado no Brasil pela Galera Record.

Estou pedindo aos céus que cuidem do marketing desse livro/filme, pois além de tratar de um assunto extremante importante que todo mundo precisa ler este livro e ver esse filme. Já comentei sobre ele por aqui nas notícias de adaptações E atualmente ando relendo ele para fazer uma resenha descente, pois fiquei tão impactada e me sentindo tão mal quando acabei que não conseguia escrever uma linha.

O filme estréia nos EUA dia 19 de outubro e no Brasil ainda não em data de estréia. A resenha do livro sai em breve. 

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Minha vida mora ao lado | Estante

Nome: Minha vida mora ao lado.
Autora: Huntley Fitzpatrick.
Editora: Valentina.
Páginas: 319 páginas.
Classificação: 
Onde encontrar: Amazon | Cultura| Saraiva | Submarino

Sinopse: Sam sempre gostou de espiar seus vizinhos pela sua janela. A sua família é muito regrada e sua mãe tem carreira na política e esta focando nela e neste verão, a sua irmã está de férias, mas decidiu não voltar para casa desta vez. Ela sempre observou os Garret seus vizinhos uma família grande e muito divertida da qual ela espia pela sua varanda há anos. Desta vez, uma estranha coincidência faz com que um dos filhos desta família acabe ficando próxima dela naquele verão.

Seria clichê dizer que Samantha nem de longe esperava o que estava prestes a acontecer? Ela sempre teve uma vida muito certinha sob os olhos de sua mãe. Porém este verão ela decidiu se dedicar a carreira política o que deixou a garota um pouco mais a vontade para ter experiências novas e conhecer pessoas diferentes. Numa noite de verão Jase Garret acaba se aproximando e o todo aquele barulho, afeto e caos que ela sempre que fizesse parte da sua vida estava mais perto do que esperava.

Quanto mais eles se aproximam mais percebem que estão se apaixonando um pelo outro. Porém eles precisam aprender lidar com todas as desavenças a respeito de suas famílias e primeiro amor. Até que algo acontece com Sam e ela se vê perdida a qual família recorrer. Será que alguém está pronto pra sacrificar tudo pela verdade?

Minhas impressões:
A narrativa da autora é cativante. Estava tão saturada de mais do mesmo que quando li, fiquei muito feliz de que apesar do enredo clichê pelos mesmos dilemas adolescente os personagens eram um pouquinho fora da curva. Livros com enfoque familiar são sempre os meus favoritos e as discussões a repeito de família deste livro são bem relevantes. Tem muitos personagens e todos eles tem um papel importante nesta história, o que é muito legal e difícil de ser feito sem deixar cansativa a leitura. Meu favorito sem dúvida é o irmão mais novo do Jase o George chama a Samantha de Sailor Moon e ama toy story. 

A leitura é muito gostosa e amo ler sobre famílias grandes muita confusão, gritaria e diálogos engraçados. A risada é garantida assim como suspiros como naquelas filmes da sessão da tarde. Também vamos ter umas reflexões a respeito de descobertas e maturidade na adolescência, afinal todo YA tem. O diferencial é a forma como é retratado e escrita gostosa da Huntley que deixa tudo mais leve.

É mais que um romance de verão é um grande diálogo sobre família, amar e ser amado. E tudo isso vai transformar ela como pessoa e isso não se dá apenas em função do seu relacionamento. As mudanças que ocorrem devido a aproximação dos dois mudam a perspectiva que a ´personagem tem sobre a vida e principalmente como pessoa. Também tem uma discussão sobre política de forma mais romantizada é claro, pois esse não é o foco principal da história.


Citações favoritas:

Acho que gosto de coisas que exigem tempo e atenção. Vale mais a pena assim.

Você está andando por um caminho, impressionado com a perfeição dele, com o fato de você se sentir incrível e, algumas esquinas depois, se perde num lugar pior do que qualquer coisa que poderia ter imaginado.

No entanto, nunca sabemos com certeza se, quando as coisas desmoronarem, vamos pensar na nossa segurança primeiro ou se isso vai ser a última coisa que vai passar pela nossa cabeça.

Nenhuma palavra é dita por um longo tempo. Mas tudo bem, porque até as mais importantes são apenas substitutos para o que podemos expressar de forma melhor sem nada a dizer. 

Não tem nada a ver com o jeito como as coisas parecem ao longe e tudo a ver como o modo como ela são de verdade.