Boa noite | Estante

Nome: Boa noite
Autora: Pam Gonçalves.
Editora: Galera record.
Páginas:  240 páginas.
Classificação:
Onde encontrar: Amazon | Cultura | Saraiva | Submarino

Sinopse: Alina morava no interior e acabou se mudar para morar mais perto da Universidade. Viver num república vai ser uma experiência e tanto, mas nada comparado aos desafios que ela vai encontrar na curso de Engenharia da computação, parece que ser mulher escolher um curso de exatas não é muito bem aceito por homens. Gustavo, Manu, Talita e Bernardo namorado da mesma e morador extra vão agitar um pouco a voda da garota. Talvez ela vá se sentir em casa, mas antes precisa passar pelo trote.

O livro começa com a personagem principal se mudando para a República das Loucuras, logo depois  conta um pouco da sua integração no curso de Engenharia e como mulheres sofrem com preceitos ao fazer um curso de exatas. 

Alina tenta deixar o seu rótulo de nerd no ensino médio e se adaptar a vida nova na universidade, tentando se adaptar a nova rotina e a convivência com os caras machistas que são seus colegas de sala. Se incomodam tanto por ter garotas no curso e fazem uma série de comentários grosseiros e desestimulantes. Até que uma página de fofocas da faculdade começa bombar e nela mensagem sobre abuso e drogas se destacam.

Tentar tomar cuidado e proteger as outras garotas, vai sem um tanto complicado. Junto com suas colegas de turma a garota tanta encontrar uma solução para esses abusos cometidos na faculdade. 



Minhas impressões:
Minhas primeiras impressões com o livro foram razoáveis, porém esperava um aprofundamento maior da história. Me deixou bastante feliz saber que a Pam aproveitou o fato de ter diversos seguidores jovens e abriu uma discussão muito séria entre eles.

Por gostar tanto da autora e acompanhar seu trabalho me senti na obrigação de expôr um opinião sincera. O livro é bom, mas esperava mais. A narrativa é envolvente, mas a fluidez é quebrada com facilidade e isso deixa a história fraca.   

Mesmo com alguns defeitos a história tem grandes coisas a acrescentar. O fato dos estupros serem negligenciados nas Universidades, isso é muito real e não só no Brasil. Referências sobre o feminismo e ao movimento Vamos jutas? da Babi Souza. Cita também o racismo, porém de forma bem leve.

O que faltou na história foi o aprofundamento o exploração da personagem principal. Mas por ser uma autora iniciante provavelmente sua escrita só tem a evoluir. Com certeza isso será melhorado nos próximos livros. Não posso deixar de dizer que fiquei extremamente feliz de alguém ter tocado desse assunto e principalmente para jovens. Eles devem aprender que não se deve silenciar as mulheres que sofrem qualquer tipo de violência. E que em casos de estupro a culpa NUNCA é da vítima!

Citações favoritas:
Mas beleza não tem nada a ver com profissão de cara babaca já basta os que estudam comigo ou no prédio de exatas.
A ideia é que ao ver outra mulher precisando de ajuda, elas se unam. Isso é sororidade.
É o que a cultura do estupro faz como a nossa sociedade, nos cala e nos tolhe os direitos.
Já leram Boa noite? Me contem nos comentários!

Instagram