Escritos: Carta número 23.





Caro amor,

Já é tarde e fazem meses que não te escrevo com tanta frequência, deixei os textos melancólicos de lado e optei por viver mais a minha vida. Estava cansada de escrever o que não devia e para quem não devia, nesse meio tempo em me dei folga de você as coisas ficaram confusas. 

Pessoas novas apareceram, músicas novas foram postas no lugar das antigas, lágrimas foram derramadas e tive um conversa esclarecedora com um amigo sobre o amor. Reavaliei os sentimentos, troquei algumas certezas de lugar e finalmente descobri o que eu queria pôr lá naquele espaço onde só tinha bagunça.

Não foi amor, nem um novo alguém, nem mesmo um novo personagem literário pelo qual me apaixonei. Foi só segurança, aquela que me faz acordar todos os dias e saber que eu sou o suficiente pra mim mesma. Aquela mesma segurança que foi destruída a meses atrás, a mesma que me faz amadurecer a escrita. Ela amadureceu o coração e deu novos rumos a ele dos quias eu nem sabia que tinha e foi incrível descobrir todos.  

Me fez perceber que eu só tenho 17 anos e muita coisa pra aprender, muita experiência pra acumular e muita gente nova pra me mostrar que a vida tem dessas que eu sorrir hoje, chorar amanhã, porém um dia vou poder estar num varanda cheia de amigos e rir de tudo isso.

Afinal a vida pode ser dolorosa e complicada, mas a gente nunca sabe o que nós aguarda no final.

                                                            Com amor, Andresa.

Instagram