#LeiaUmNacional: Guilherme Oli ♥

by - sexta-feira, setembro 04, 2015

Olá pessoas, o Autor entrevistado de hoje é o Guilherme Oli, espero que gostem de conhecer um pouco mais do autor.



PROJETO LEIA UM NACIONAL – ENTREVISTANDO ESCRITORES NACIONAIS

1º Por que decidiu se tornar escritor?  
Eu escrevo desde pequeno e acabei indo por esse caminho meio que sem perceber mesmo... rs.
Porém, a decisão de lançar o primeiro livro veio depois de acompanhar o processo de lançamento do livro Condicional, do Paulo Sérgio Moraes. Percebi que era uma atividade que estava ao meu alcance e decidi encarar.

2º Qual sua maior inspiração para escrever?
Hoje em dia posso dizer que o que me inspira e me motiva é o retorno que recebo de leitores, parceiros e amigos. Sem este feedback eu tenho lá minhas dúvidas se continuaria escrevendo. Por mais que seja uma atividade prazerosa, penso que não faz muito sentido escrever algo que não será lido e apreciado.

3º Já teve uma fase de bloqueio criativo? Se sim como foi que conseguiu sair dela?
Eu sempre tenho! Geralmente quando o bloqueio aparece tento procurar a causa dele pra solucionar. Por exemplo, se é uma ideia mal trabalhada, um texto que ainda não está muito coerente ou mesmo se eu realmente quero contar aquela história (e não outra). 
Também posso ter bloqueios por falta de feedback, uma visão externa sobre o texto.
No geral, quando busco a causa costuma dar certo e o bloqueio vai embora.
Ah, uma pausa de vez em quando também ajuda!

4º Você acredita que as pessoas estão se tornando leitores mais cedo hoje devido ao mercado literário estar bem variado?
Eu acho que isso depende muito, em primeiro lugar, das referências. Quando os livros são apresentados logo cedo em casa ou na escola (seja pelos professores como por outros colegas de classe), a tendência é que os leitores criem o hábito mais cedo. 
Mas não dá pra negar que a maior facilidade de acesso à informação (principalmente pela internet) desperta maior curiosidade.
Uma outra coisa que colabora muito são as leituras seriadas, sagas, etc. Elas criam uma legião de fãs muito significativa que ajudam muito no sucesso destes livros.

5º Qual seu escritor favorito e por quê?
Nossa... Difícil escolher um! Posso dizer que o meu preferido no momento é o Etgar Keret, um autor que descobri recentemente. Dos nacionais, eu diria que o Ricardo Lísias é meu favorito.

6º Gosta de produzir ouvindo música? Se sim quais?
Na maior parte das vezes eu escrevo em silêncio, mas gosto sim! De preferência instrumentais ou que eu não conheça a letra para não me distrair cantando junto mentalmente... rs.

7º Hoje em dia os jovens vem cada vez mais devorando livros e mais livros. No futuro acredita que boa parte da nossa sociedade vai adotar o hábito da leitura com mais facilidade?
As chances são boas, pois estes jovens podem incentivar os filhos a criar o hábito! Além disso, com o advento dos e-books fica ainda mais fácil e dinâmico.

8º Qual sua relação com seus leitores?
É bem legal! Eu tento estar em contato com eles não apenas para saber o que acharam do meu livro, mas para saber o que mais eles estão lendo. Na verdade, é mais sobre isso que conversamos. Alguns acabam até se tornando meus amigos e me indicam livros também. Pelo instagram, principalmente, eu consigo me comunicar melhor com eles. É uma troca muito rica, com certeza!

9º Sei como é maravilhoso para um escritor ter seu trabalho reconhecido, Como foi saber que livro seria publicado?
No começo custa a cair a ficha, sabe? Eu só fui ter noção disso quando o primeiro exemplar de prova chegou até mim. E cada novidade foi uma emoção diferente: a primeira dedicatória, a primeira vez que vi meu livro numa prateleira de livraria, a primeira resenha em blog e por aí vai... E tenho certeza que esse sentimento se renova a cada livro lançado!

10º Faça ma lista dos seus 5 livros nacionais preferidos.

Ah, que sofrimento! Só 5? Rs
Bom, eu vou ter que ser imparcial na minha lista e não citar amigos ou parceiros. Por mais que tenha amado os livros, para não ficar injusto, sabe? Então, me desculpem amigos! 
Escolhi cinco nacionais que li nos últimos anos e que curti demais:

1. Fim, da Fernanda Torres;
2. O céu dos suicidas, do Ricardo Lísias;
3. Queria ver você feliz, da Adriana Falcão;
4. Perácio, do Bráulio Mantovani;
5. Put some farofa, do Gregório Duvivier.

Sobre mim:
Guilherme Oli tem 31 anos e vive em São Paulo-SP. 

Contatos:
guiaugoli@gmail.com
facebook.com/guiaugoli
facebook.com/OliEMoraes
instagram.com/oli.moraes
twitter.com/oliemoraes

Livros:
Remoto e Improvável (PerSe – 2014)
Um homem e uma mulher se conhecem e, por alguma razão misteriosa, se atraem. Por que não se entregar? Afinal, amanhã, ninguém sabe.
Mas e quando há quilômetros de distância e inimigos clássicos de toda persistência amorosa entre eles?

E quando nem os autores sabiam como esse romance terminaria e simplesmente deixaram-se levar por esse turbilhão de emoções vivido pelos personagens?

Conheça Tarso e Bia. Uma história epistolar, contada apenas em trocas de e-mails e sem um caminho pré-estabelecido.
E pode ser que seja uma história de amor.

Remetente N.15 (Letras e Versos – 2015)
Um investigador encontra 14 cartas com algo em comum: seus remetentes estão desaparecidos.
Mas ainda há mais um. Quem será o Remetente N.15? A cada carta, um novo autor.

Essa foi a entrevista gente, espero que tenham gosto. Muito obriga Guilherme por aceitar participar do projeto;

Tenham uma boa noite leitores beijos, Andresa!  


Você também pode gostar de

0 comentários